Envio de crianças pelo correio?

Envio de crianças pelo correio?

Envio de crianças pelo correio nos EUA no século 20

 

Será que alguém colocava crianças em caixas postais de correio? Não. No entanto, era extremamente popular para pais e responsáveis ​​de crianças, principalmente nos Estados Unidos ao longo do século 20, enviar seus filhos para outras cidades usando um serviço fornecido pelos Correios. Isso foi notavelmente prevalente nos EUA. Nesse meio de transporte, as empresas prestavam os serviços de um funcionário que ia ao local com a criança em troca de uma taxa tradicionalmente inferior ao preço de uma passagem padrão. Estava dentro dos limites da lei durante esse período de tempo que os jovens fossem movidos dessa maneira; eles não foram proibidos de fazê-lo.

Como funcionava essa entrega de crianças pelo correio?

Era preciso transportar as crianças com a correspondência e, de vez em quando, eram administrados sedativos para garantir que permanecessem em silêncio durante a viagem. Os mensageiros eram pagos para transportar as crianças para suas respectivas localidades nos Estados Unidos. Em outros casos, as crianças foram deixadas em áreas remotas sem nenhum tipo de apoio.

Nos primeiros meses de 1913, um casal de Ohio tomou a decisão de entregar seu filho recém-nascido na casa de seus avós, localizada a um quilômetro e meio de distância, através do recém-criado Serviço Postal dos Estados Unidos. Afinal, não havia menção à proibição de fazê-lo no manual de políticas e procedimentos do serviço.

Envio de crianças pelo correio ?
Será que essa foto originou a frase: “O homem do saco vem te pegar”?

Uma das coisas que levaram a situação a sair do controle e a tornar público foi no ano de 1913 o ano mais caótico, onde  as proibições e restrições dos correios não eram muito claras na época. As pessoas começaram a enviar tudo o que podiam imaginar, de tijolos a seres humanos, em caixas como forma de testar as limitações do sistema. Isso ocorreu principalmente porque não havia regras sobre quanto cada item poderia pesar, o que era o principal motivo dessa prática.

Mesmo em 1915, havia sete casos documentados de pessoas enviando crianças pelo correio por longas distâncias porque era mais barato comprar os selos que custavam até 15 centavos do que comprar uma passagem de trem. O raciocínio por trás dessa prática era que era mais barato comprar os selos do que comprar uma passagem de trem. Como a maioria das pessoas nas regiões rurais conhecia os carteiros locais, os pais não tinham a sensação desconfortável de que estavam entregando seus filhos a um estranho ao fazer isso. Assim, os mesmos eram confiáveis.

VEJA TAMBÉM: PATO DETETIVE?

A última viagem

Foi só quando o chefe dos correios, Albert S. Burleson, soube da prática de enviar crianças como encomendas, com o caso de May Pierstorff, cujos pais a mandaram para a casa dos avós, a 110 quilômetros de distância, em fevereiro de 1914, que ele proibiu oficialmente os carteiros  de aceitar humanos como correspondência. 

No entanto, isso só era aplicável ao estado de Ohio, de modo que indivíduos em outras partes do país ainda eram livres para se envolver na atividade comercial. No ano seguinte, uma mãe na Flórida enviou sua filha, que tinha apenas 6 anos na época, para a casa de seu pai na Virgínia, que ficava a 1.158 quilômetros de distância! Esta foi a viagem que acabou por ser a viagem postal mais longa conhecida para crianças.

Depois que a notícia da entrega de crianças pelo correio se espalhou por todo o país em 1915, a prática não parou até meados de agosto. Maud Smith, que tinha apenas três anos na época, foi a última pessoa a fazer a viagem pelo correio dos Estados Unidos.

 


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.